CRISTÓBAL HARA

Pele amarga

 

February 1st - March 14th, 2020

Colabora: Galería Blanca Berlín (Madri)

 

A exposição Pele amarga (“Piel amarga”) apresenta no Porto uma seleção de vinte e cinco imagens que percorrem os 50 anos do trabalho profissional de Cristóbal Hara, cinco décadas como fotógrafo, as quais coincidem com um período essencial da história contemporânea de Espanha, a famosa Transição. Durante quase meio século, a câmara de Hara percorreu Espanha em busca da sua essência; captando momentos e lugares que refletem a sua visão pessoal sobre um país em transição, com uma atenção especial à Espanha esvaziada e a momentos onde, como em Dom Quixote - a obra que na sua opinião melhor reflete a verdadeira natureza do país de Cervantes -, a realidade e a ficção se encontram.

 

Inspirado por livros como “The Americans” de Robert Frank, Hara nunca parou de percorrer os caminhos e vilas de Espanha aprofundando obsessivamente o retrato do país que o viu nascer, mas do qual viveu afastado nos primeiros anos da sua vida. Essa dupla relação com a sua identidade é possivelmente responsável pela posição única em que se coloca ao abordar o seu trabalho e que determinará a sua singular visão, longe de estereótipos e nada condescendente.

 

Durante quase meio século, a câmara de Hara percorreu Espanha em busca da sua essência; captando momentos e lugares que refletem a sua visão pessoal sobre um país em transição

A exposição Pele amarga (“Piel amarga”) apresenta no Porto uma seleção de vinte e cinco imagens que percorrem os 50 anos do trabalho profissional de Cristóbal Hara, cinco décadas como fotógrafo, as quais coincidem com um período essencial da história contemporânea de Espanha, a famosa Transição. Durante quase meio século, a câmara de Hara percorreu Espanha em busca da sua essência; captando momentos e lugares que refletem a sua visão pessoal sobre um país em transição, com uma atenção especial à Espanha esvaziada e a momentos onde, como em Dom Quixote - a obra que na sua opinião melhor reflete a verdadeira natureza do país de Cervantes -, a realidade e a ficção se encontram.

 

Inspirado por livros como “The Americans” de Robert Frank, Hara nunca parou de percorrer os caminhos e vilas de Espanha aprofundando obsessivamente o retrato do país que o viu nascer, mas do qual viveu afastado nos primeiros anos da sua vida. Essa dupla relação com a sua identidade é possivelmente responsável pela posição única em que se coloca ao abordar o seu trabalho e que determinará a sua singular visão, longe de estereótipos e nada condescendente.

 

O título da exposição é inspirado num verso de “Mi querida España”, a canção de Cecilia incluída no disco “Un ramito de violetas” que surgiu em junho de 1975, e que dizia na sua versão original: “Minha querida Espanha, esta Espanha branca, Esta Espanha negra/Povo de palavra e pele amarga, doce é a tua promessa/Quero ser a tua terra, quero ser a tua erva quando morrer (...)” [original: “Mi querida España, esta España blanca, esta España negra / Pueblo de palabra y de piel amarga, dulce tu promesa / Quiero ser tu tierra, quiero ser tu hierba cuando yo me muera (...)”]. A letra do tema foi objeto de censura por parte das autoridades da época, embora os versos tenham sido reproduzidos em texto na contracapa do álbum tal como foram pensados por Evangelina Sobredo Galanes. O disco e esta feição concederam a Cecilia um enorme êxito a alguns meses da sua morte num acidente de tráfico, exatamente quando o veículo em que viajava cruzava uma das localidades que atraem o olhar do fotógrafo. Um acidente que poderia ser entendido como uma das alegorias desse confronto entre tradição e modernismo, entre o urbano e o rural, que inunda as imagens de Hara.

 

Pele amarga recolhe quer imagens da sua primeira etapa a preto e branco, no início dos anos 70, quando regressa a Espanha para prestar serviço militar, quer algumas das mais emblemáticas capturas a cores obtidas entre os anos 1985 e 2013, nas quais concentra o que é mais reconhecível na sua produção, bem como outras nunca antes exibidas. A seleção de obras cobre grande parte dos temas essenciais do trabalho de Hara, como o mundo dos touros, desprovido de todo o glamour com que costuma ser representado; as festas populares de uma Espanha atávica que paulatinamente se esvazia para abraçar o modernismo e as cidades; ou as celebrações religiosas que sobrevivem à secularização de uma terra severa, como a que protagoniza na maior parte da sua obra. São fotografias que podem parecer duras, mas que o autor defende como sendo imagens que refletem o olhar de uma criança. Como a daquele menino perdido que aparece retratado na última imagem da exibição, um autorretrato específico de como Hara se sentiu ao regressar a Espanha. Mais um exemplo de como a ficção pode ser a melhor forma de contar a realidade, tal como o autor enfatiza incansavelmente.

Cristóbal Hara (Madri, 1946) é um dos mestres espanhóis da fotografia a cores. Fez parte de “Los cinco jinetes”, juntamente com Cristina García-Rodero, Koldo Txamorro, Ramón Zabalza e Fernando Herráez, dos quais se separaria para encontrar o seu próprio espaço, a sua singular forma de entender a fotografia, que coincide com a descoberta da utilização no seu trabalho da película a cores, em meados dos anos oitenta. Algo muito raro na época, que o torna, de fato, um dos primeiros a usar a cor no seu trabalho mais pessoal. Cristóbal Hara nunca se sentiu confortável no mundo “oficial” da fotografia espanhola, preferindo transitar por uma via alternativa e mais independente. Embora não seja tão conhecido pelo público em geral como outros grandes nomes da fotografia espanhola, Hara é uma referência constante numa nova geração de fotógrafos ibéricos, na qual constam alguns dos nomes com maior projeção externa no âmbito da chamada Nova Fotografia Documental. Prémio Bartolomé Ros pela melhor trajetória na fotografia espanhola em 2016, o seu trabalho faz parte de algumas das coleções de maior prestígio, como a do Museu Reina Sofía, do Stedelijk Museum de Amsterdão ou do Art Institute de Chicago.

Rua de Santos Pousada 620. Porto 4000-480 (Portugal)  |  Qua-Sab: 14-19 h.  |  por nomeação aqui  | newsletter  | support us  | contacte-nos

TAMAÑO_MEDIANO.png
0